Em 2010 o IPPMG lançou a Campanha Quixotes da Saúde na Luta Contra o Tabagismo na Infância e na Adolescência para alertar e informar a população, os profissionais de saúde e os estudantes universitários  sobre os danos à saúde causados pela poluição tabágica.

O tabagismo é um sério problema de saúde pública e de toda a sociedade. É uma das maiores causas de doenças e mortes evitáveis.

Jovens começam a fumar, sem perceber que uma atitude, aparentemente inofensiva, poderá deixa-lo dependente de uma droga (nicotina), sob o risco de adoecer, comprometer a sua qualidade de vida e causar danos ambientais.

Hoje, nas comemorações aos 450 anos da Cidade Maravilhosa, gostaríamos de convocar a população para a defesa desta causa.

 

Viva bem, viva sem fumar!

Rio limpo, Rio lindo!

 

Clique nas figuras para ampliá-las

Rio450FolderFrente Rio450FolderVerso

 

 

A campanha dos Quixotes  vai se dedicar à realização do Fórum de Tabagismo na Infância e Adolescência,  em parceria com a Sociedade Brasileira de Pediatria, que acontecerá em 28 de agosto na Casa da Ciência da UFRJ.

 

Convidamos a todos a participar!

 

 

MATERIAL PARA DIVULGAÇÃO

Dê download do folder (salvar como...), imprima  e corte nas linhas

 

Quixotes 2015 folder em curvas a

 

Quixotes 2015 folder em curvas b

Este é o nosso espaço de discussão, construção de propostas e ações mais efetivas, na luta por melhor compreensão deste grave problema que atinge a saúde das pessoas e do planeta.

 

img cervantes tabagismo

 

Dia 28 de agosto de 2015, de 9 às 16 horas,

na Casa da Ciência da UFRJ.

 

Esta é uma iniciativa dos Quixotes da Saúde, unindo o IPPMG e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

 

PARTICIPE!

Há mais de meio século o Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira, nosso  IPPMG  vem cuidando da saúde das crianças brasileiras, e temos muito orgulho disso. Estamos comprometidos com a qualidade da assistência médica, com a formação e com  o ensino universitário, contribuímos com a construção, difusão e divulgação de novos conhecimentos na área pediátrica. 


Em todo o mundo vem se noticiando há muitas décadas, o avanço das doenças tabaco relacionadas, e um grande esforço da comunidade científica internacional em denunciar o hábito de fumar  como  um hábito muito nocivo a saúde de quem fuma, dos fumantes involuntários ou passivos (principalmente as crianças e pessoas que cohabitam com o tabagista) e também suas consequências ao meio ambiente, poluindo o ar, o solo (das casas, calçadas, praças, parques, praias) rios e mares. 
 
Em 2005 diante das evidências da epidemia tabágica, foram implementados esforços em todo mundo  gerando o primeiro Tratado Internacional de Saúde Pública , a Convenção Quadro para o Controle do Tabaco, (CQCT )cujo objetivo principal é 
 
PROTEGER AS GERAÇÕES PRESENTES E FUTURAS DAS DEVASTADORAS CONSEQUÊNCIAS  SANITÁRIAS, SOCIAIS, AMBIENTAIS E ECONÔMICAS GERADAS PELO CONSUMO E PELA EXPOSIÇÃO À FUMAÇA DO TABACO, 
 
O IPPMG vem fazendo a sua parte na luta contra  o fumo, a poluição tabágica  alertando, informando e participando  de debates, propostas e construindo novos saberes. 
 
Os Quixotes da Saúde na luta contra o tabagismo na infância e na adolescência, vem conclamar  a Pediatria Brasileira a tomar frente a mais um desafio de proteção e cuidado à saúde das crianças e adolescentes brasileiros.
 
CQCT - 10 ANOS da  assinatura do  Tratado Internacional em Defesa da Saúde Pública, a favor da vida e novas gerações
  A Lei anti-fumo passou a valer em todos os Estados do país. A Presidenta Dilma Rousseff sancionou a lei antifumo, após 2 anos engavetada!

     Vitória, vitória sim de toda a sociedade, da população brasileira e dos profissionais de saúde, que visa maior proteção e cuidado com a qualidade do ar que respiramos, protegendo adultos, crianças e idosos da fumaça tóxica do cigarro. Fumar agora só em áreas ao ar livre, como as calçadas das ruas, praças, parques,praias enfim em espaços abertos, em ambientes bem ventilados.

     O conhecimento sobre os malefícios  causados pela fumaça do cigarro, vem evoluindo muito e por isso é necessário maior proteção social  e divulgação ampla e continuada  desse grave problema de saúde pública e a  aplicação da lei  deve ser intensificada para que haja  menor aceitação social do ato de fumar. Desestimular e informar os adolescentes é fundamental! 
 
     Vamos promover o debate, vamos abrir oportunidades de diálogo  para maior proteção, da juventude  ao acesso as drogas, primeiramente as lícitas como álcool e fumo, que potencializam a experimentação de outras  ainda ilícitas como maconha, a cocaína e o crack devastador.
 
      Desejamos que o ano novo seja de mudanças positivas em  busca constante de paz, harmonia, felicidade,  amor,  fraternidade e muita saúde, longe  das drogas!     
 
QUANDO SE SONHA JUNTO É O COMEÇO DESSA REALIDADE!!!!!!
QUEREMOS O  AR LIVRE DA FUMAÇA DO TABACO!
FUMAR, FAZ MAL A SUA SAÚDE E A SAÚDE DO PLANETA 
 
 

A Campanha Quixotes visa fortalecer os objetivos da Convenção Quadro: “proteger as gerações presentes e futuras das devastadoras conseqüências sanitárias, sociais, ambientais e econômicas geradas pelo consumo e pela exposição à fumaça do tabaco”.

No Brasil, 200 mil pessoas morrem por ano por conta do tabaco. Pela estimativa da OMS, a cada dia 100 mil jovens começam a fumar. No Brasil, 75% dos fumantes iniciam o hábito de fumar começa antes do 18 anos. O objetivo é proteger a população do fumo passivo e contribuir para diminuição do tabagismo.

No Dia Mundial Sem Tabaco, dia 31 de maio, o Ministério da Saúde anunciou, a regulamentação da Lei Antifumo, que estabelece ambientes de uso coletivo 100% livres de tabaco.

Desde 15 de dezembro de 2011, a Lei nº 12.546 (no artigo 49) proíbe fumar em recintos coletivos fechados, privados ou públicos, de todo o país. A Lei nº 12.546, que alterou a Lei nº 9.294/1996, determina que o Poder Executivo regulamente esta medida.

A legislação antifumo conjugada com ações educativas contribuirão para a redução do tabagismo na sociedade.

UFRJ IPPMG - Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira
Desenvolvido por: TIC/UFRJ