DIR. ADJUNTA ATIVIDADES ACADÊMICAS

 

Por: Dra. Sabrine Teixeira

 

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) emitiu uma nota com orientações sobre o aleitamento materno na maternidade e após a alta para o domicílio, indicando que a amamentação deve ser mantida, ainda que haja suspeita ou confirmação de infecção pelo SARS-CoV-2 (sigla do inglês, Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2).

Essa recomendação vai ao encontro do proposto pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial de Saúde (OMS), porém, nem todos os países implementaram políticas semelhantes. Em um comentário publicado no periódico Maternal & Child Nutrition, pesquisadores norte-americanos e australianos discutiram as diferentes condutas adotadas pelo mundo.

Em países como China, Malásia, Japão e Índia, por exemplo, os recém-nascidos são separados das mães logo após o nascimento, ainda que elas estejam apenas com suspeita de Covid-19, sem confirmação laboratorial.

 

Matéria completa em: https://portugues.medscape.com/verartigo/6504919?nlid=135891_4208&src=WNL_ptmdpls_200610_mscpedit_peds&uac=311575FR&impID=2414475&faf=1

 

 

 

Por: Roxana Tabakman

 

Em março, com a pandemia de Covid-19 (sigla do inglês, Coronavirus Disease 2019) ainda iniciando no Brasil, médicos de um hospital de São Paulo se depararam com um caso inesperado. Uma menina de 10 anos previamente saudável foi admitida no serviço de emergência com sintomas respiratórios leves, 38 ºC de febre há 24 horas e hematúria importante. Filha de médicos que atendem pacientes com Covid-19, o teste por reação em cadeia da polimerase com transcrição reversa (RT-PCR, sigla do inglês, Reverse Transcription Time Polymerase Chain Reaction) feito via swab nasofaríngeo foi positivo para SARS-CoV-2 (sigla do inglês, Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2) e negativo para outros vírus. O caso, publicado esta semana no periódico The Pediatric Infectious Disease Journal[1] pode ser a primeira notificação de complicações renais associadas à Covid-19 em uma criança.

"Achamos importante chamar a atenção da comunidade pediátrica para esse caso, porque a doença não é feita apenas de manifestações respiratórias. E de lá para cá fomos inundados de novos dados mostrando, principalmente em adultos, que o espectro de manifestações da doença é muito amplo", disse ao Medscape o Dr. Marco Aurélio Sáfadi, um dos autores da carta ao editor e presidente do Departamento Científico de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

A menina passa bem, e no hospital não tiveram mais casos importantes desse tipo. Sim, os médicos atenderam quadros respiratórios graves com necessidade de ventilação mecânica e um caso de síndrome inflamatória e nos casos posteriores em que detectaram hematúria nenhum deles teve comprometimento renal grave.

 

Matéria completa em: https://portugues.medscape.com/verartigo/6504919?nlid=135891_4208&src=WNL_ptmdpls_200610_mscpedit_peds&uac=311575FR&impID=2414475&faf=1

 

 

 

 

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), em parceria com o Ministério da Saúde, a Organização Pan Americana de Saúde (OPAS) e a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), lança nesta semana uma nota de alerta com recomendações a respeito do manejo clínico de crianças e adolescentes com COVID-19. Conforme destaca o documento, apesar da doença apresentar manifestações mais relevantes em pacientes acima de 60 anos de idade ou com comorbidades associadas, sintomas graves também têm sido relatados em uma pequena parcela da população pediátrica. 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O DOCUMENTO

De acordo com a publicação, as primeiras descrições sobre o tema surgiram em abril desse ano, no Reino Unido. Posteriormente, Espanha, França e Estados Unidos também registraram episódios similares. Segundo as descrições dos casos, a nova apresentação clínica da COVID-19 em crianças e adolescentes é caracterizada por síndrome inflamatória multissistêmica, com manifestações semelhantes àquelas observadas na síndrome de Kawasaki típica, Kawasaki incompleta ou síndrome do choque tóxico.

Entre os sintomas recorrentes, constam: febre persistente e elevada; exantemas de apresentações variadas; conjuntivite; edema em mãos e pés; dor abdominal; confusão mental; linfonodos aumentados; e manifestações gastrointestinais, como vômitos e diarreia. Os episódios evoluem para choque cardiogênico (com hipotensão arterial e taquicardia) e elevações de marcadores de função miocárdica (troponina e pró-BNP).

 

Matéria completa em: https://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/em-parceria-com-ministerio-da-saude-sbp-divulga-nota-sobre-covid-19-e-sindrome-inflamatoria-em-criancas-e-adolescentes/

 

 

 

A SOPERJ teve que adaptar seus eventos neste momento de pandemia e, no mês de maio, programou uma série de atualizações online para os pediatras, em parceria com a SBP. São quatro videoconferências que acontecem nos dias 20, 22, 26 e 29 de maio.

As aulas são abertas e devem ser acessadas pelas plataformas Zoom Meeting e Webex. Veja a seguir a programação e as informações para assistir as videoconferências.

 

ABORDAGEM DE NÓDULOS TIREOIDIANOS NA INFÂNCIA – 26/05 – 19H

Moderação: Dra. Valéria Schincariol, Dra. Deise Maria Duarte Arantes Pires e Dra. Claudia Braga Monteiro

  • Palestrante: Dr. Paulo Alonso Garcia Alves Júnior

Link de acesso do evento

Senha de acesso: b4ZaMKmxz38

 

 

CONVERSANDO SOBRE DERMATOLOGIA PEDIÁTRICA – 29/05 – 18H
  • Palestrantes: Dra. Juliany Estefan, Dra. Ana Mosca e Dra. Eliane Abad

Link de acesso do evento

Senha de acesso: 5UYnPbMpH38

 

Acesso em: http://soperj.com.br/videoconferencias-da-soperj/

 

 

Minha publicação-2.jpg

 

 

UFRJ IPPMG - Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira
Desenvolvido por: TIC/UFRJ