DIR. ADJUNTA ATIVIDADES ACADÊMICAS

 

Por: Sidney Coutinho

 

Baixo custo e facilidade de confecção são as principais vantagens das máscaras faciais que estão sendo desenvolvidas por Lisandra Rodrigues Risi, doutoranda do Programa de Pós-graduação stricto sensu da Escola de Enfermagem Ana Nery (UFRJ) e professora da Faculdade de Enfermagem da Uerj. Com o uso de um elemento filtrante de celulose, que pode ser encontrado até em supermercados, a confecção de máscaras caseiras, com dupla camada em tecido de algodão, proporciona uma barreria física e microbiológica segura para a população. A máscara poderá ser alternativa em casos de desabastecimento e escassez de equipamentos de proteção individual para profissionais de saúde no enfrentamento da COVID-19, que já levou a óbito milhares de brasileiros.

As máscaras já foram submetidas a testes físicos e agora passam por testes microbiológicos, que exigem prazo maior de análise. “É preciso esperar o desenvolvimento de culturas dos agentes patogênicos”, argumentou a professora, que é orientada no doutorado pelo professor Alexandre Barbosa de Oliveira, líder do Grupo de Ensino, Pesquisa e Extensão de Saúde em Emergências e Desastres ─ Gepesed (UFRJ). Os testes estão sendo realizados no laboratório da Rede Brasileira de Laboratórios Analíticos em Saúde (rede Reblas), validado pela Anvisa e chancelado pelo Inmetro.

De acordo com Lisandra, o custo de produção de cada unidade deve ficar próximo de 5 reais. “A máscara pode ser lavada, conforme as orientações do Ministério da Saúde. A inserção do filtro de celulose, popularmente usado como coador de café, aumenta a barreira de proteção. Ela pode ser produzida tanto em escala industrial como por qualquer pessoa que tenha local apropriado para desenvolver atividades de costura e confecção têxteis”, afirmou.

A doutoranda explicou que, nos testes de permeabilidade do ar das máscaras faciais com filtro de celulose, o elemento filtrante foi de 8,6, sob aplicação de uma pressão de 125 (PA) em uma área de 20 centímetros quadrados. “Em comparação com os resultados dos ensaios de máscaras comercializadas para uso profissional, os testes nos mostraram que as camadas fazem a retenção das partículas de forma efetiva”, esclareceu ela.

 

Acesso em: https://ufrj.br/noticia/2020/06/12/ufrj-cria-mascaras-baratas-e-confiaveis-para-proteger-da-covid-19

 

 

 

 

Data Inicial:
30/06/2020

Data Final:
30/06/2020

Coordenador:
Dr. Clemax Sant'Anna e Dra. Marilene Crispino 

 

Data Inicial: 17/06/2020
Data Final: 17/06/2020
 

ippmg.jpg
 
 

 

Data Inicial: 16/06/2020
Data Final: 16/06/2020
Coordenador: Dra. Albertina Capelo e Dra. Sandra Bastos
 
ippmg.jpg
 
 

 

Por: Roxanne Nelson

 

Apesar de eficaz em adultos, com a descrição de melhores desfechos em alguns pacientes, o uso de terapias-alvo não vem funcionando em pacientes pediátricos.

A oncologia pediátrica está realmente ficando para trás, disse o Dr. Cornelis van Tilburg, Ph.D., médico do Hopp Children's Cancer Center, na Alemanha.

Mas novos dados sugerem que as crianças também podem se beneficiar dessa abordagem.

Resultados do registro Individualized Therapy for Relapsed Malignancies in Childhood (INFORM) mostram que crianças com doença recidivada/refratária tratadas com terapias-alvo (alvos moleculares identificados por algoritmo), apresentaram sobrevida livre de progressão (SLP) da doença cerca de três vezes maior do que crianças com um perfil semelhante mas para as quais não havia terapia-alvo disponível. No entanto, não houve diferença na sobrevida global (SG) entre os dois grupos. "Essa é a primeira vez que desfechos clínicos em um contexto de mundo real provenientes de uma grande plataforma multinacional de oncologia pediátrica personalizada foram avaliados", comentou o Dr. Cornelis.

 

"Alvos terapêuticos com nível de prioridade muito alto identificados pelo INFORM forneceram oportunidades de tratamento como o uso de medicamentos off-label de adultos para subgrupos de crianças."

 

Matéria completa em: https://portugues.medscape.com/verartigo/6504886?nlid=135891_4208&src=WNL_ptmdpls_200610_mscpedit_peds&uac=311575FR&impID=2414475&faf=1

 

 

UFRJ IPPMG - Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira
Desenvolvido por: TIC/UFRJ